Home
FÓSSEIS DO BAIXO MONDEGO - Corais
 
 






 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Filo Cnidaria: Corais

Os corais, animais aparentados com anémonas e medusas, são os eumetazoários (identificam-se células bem diferenciadas) mais simples. De formas muito variadas, estes seres marinhos têm um corpo em forma de saco (pólipo), com boca, tentáculos e esqueleto. O pólipo ocupa uma cavidade - o cálice - de forma circular, poligonal ou alongada. Os cálices são por sua vez divididos por septos dispostos em estrela.

Os corais podem construir recifes quando encontram um ambiente propício: formam-se em águas costeiras tropicais ou subtropicais, com temperaturas superiores a 22ºC e com baixa profundidade (menos de 30m). São, deste modo, bons indicadores de ambiente. Quando são encontrados recifes de coral fósseis, estes traduzem-nos que a rocha que os contém se formou em ambientes tropicais de mares pouco profundos do passado - são, por isso, considerados fósseis de ambiente ou fósseis de fácies.

Existem desde o Precâmbrico encontrando-se na região do Baixo Mondego com abundância relativa nas faunas do Jurássico Médio (Dogger) e Superior (Malm) e no Cretácico Superior.


Exemplo de corais actuais:

Corais


Estrutura simplificada de um coral:


Exemplo de fóssil de Coral do Baixo Mondego:

Cryptocoenia